quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Reféns do Medo!


Em meio a tanta violência em São Paulo fica difícil sentir-se seguro. A verdadeira guerra travada entre agentes da lei e membros do crime organizado condenam a sociedade do “bem” a se trancafiarem em casa temendo a extinção da própria vida.

Diversas pesquisas de cunho social ilustram que a primeira preocupação dos cidadãos não é saúde, educação, ou até mesmo dinheiro, mas sim a segurança. Esta realidade nos induz a refletir quanto a importância da segurança para a sociedade, e que sem ter o direito, e a garantia de ir e vir se torna impossível qualquer tipo de produção de trabalho, estudo, ou qualquer tarefa, tudo fica inviável. 
Sã Paulo vive atualmente um estado de alerta no que diz respeito a segurança, e esta situação  nada tem de novidade, há alguns anos passamos por uma onda semelhante de crimes, e nada de preventivo foi feito para que não se repetisse, agora sentimos na pele as consequências deste desleixo das autoridades em diversos aspectos que diretamente ou indiretamente nos afeta neste campo.

Entre medos, indignação e revolta ouvi comentários de pessoas dizerem que sentiam falta da ditadura militar, em que bastava ser trabalhador para ter a sua segurança garantida pelas autoridades. Então me peguei ainda mais apreensiva, como podemos sentir falta da repressão, pensar em abrir mão dos direitos conquistados e da livre expressão ¿ Diante disso Percebi que o responsável por isto é o desespero que vem se alastrando pelas ruas, e o medo cega até os mais estudiosos e éticos.

E como se sentir seguro pelos policiais, já que estes estão entre os protagonistas desta guerra, os defensores da população são os principais alvos destes terroristas nacionais, ao qual a população se distancia por medo de ataques.

A sociedade sente-se refém de tantas atrocidades, e a insegurança e despreparo transmitido pelo Estado gera ainda mais temor da população, que se priva de sair de casa, teme por seus entes queridos e percebe o quanto está de mãos atadas diante de um assunto que compromete o seu bem estar e a sua própria vida.
Sinto como se os civis precisassem se acostumar com o terror e aprender a viver sendo repressor de si mesmo enquanto bandidos e mocinhos brincam de bang bang em que os mortos durante o confronto são apenas figurantes, mas infelizmente não estamos em um filme de faroeste, aqui é vida real, e as pessoas estão morrendo de verdade.

Além da ação ligada ao crime organizado é preciso combater a corrupção, o trafico, e isto de forma rigorosa, mas o dinheiro disponível parece invisível, é como se não víssemos as verbas direcionadas para estes fins, são policiais correndo risco de vida por um salario vergonhoso, e meninos se perdendo para o crime ainda enquanto adolescentes.

Precisamos de resultados, a justiça precisa ser ofensiva e deixar claro que o crime não compensa, e é lógico que é preciso medidas preventivas principalmente em lugares em que o índice de criminosos é maior. A vida esta banalizada, a insegurança nos acompanha no dia a dia e precisa ser combatida verdadeiramente pelos responsáveis, ou coisas piores podem acontecer, e de verdade ninguém deseja isto.
Texto: Grazy nazario.

Um comentário:

  1. Verdade, estamos nós sentindo tão desprotegidos nesta capital considerada o polo da economia brasileira. Experiência própria o medo esta tomando conta da sociedade, estamos sem saber como nos proteger, a qualquer momento podemos levar um tiro e morrer pela violência desse país.

    ResponderExcluir