sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Violência Gratuita


As dores do mundo são realmente de difícil entendimento e aceitação e a cada dia me deparo com situações diferenciadas e cada vez mais absurdas.  A violência e banalidade conduz a vida todos os dias à prova da fé, da perseverança e da piedade das barbaridades de plantão.

Partimos desde maus tratos às crianças, a partir do momento em que nos sentimos de algum modo superior a outro ser, o exercício de dominação se tornará presente em algumas pessoas, também podemos observar isto quando falamos de racismo, machismo, pratica que subestima e desiguala as mulheres de forma desleal, também podemos citar isto no trabalho, amor, enfim tudo. É como costumo ouvir, se quer conhecer o caráter de uma pessoa, dê poder a ela!

Logo presenciamos humanos incapazes de humanidade, que ao se sentirem ofendidos de alguma forma já consideram motivos para brigas, agressões ou até mesmo a morte. Isto sem mencionar que os casos que vemos nos noticiários não chegam a um terço da realidade, são mulheres violentadas ou mortas por seus companheiros, filhos agredidos por seus pais, além de situações banais que terminam em óbito, as variações são infinitas.

A violência pode ser atribuída de varias formas, e não é difícil imaginar o porquê a mente humana é alvo de tantos estudos, além de suas complexidades individuais, cada ambiente carrega em si suas especificidades, no entanto mesmo diante de tantos argumentos é difícil entender situações de extrema violência e covardia, todos os dias os noticiários ilustram a intolerância e descontrole de pessoas comuns.

Os assaltos a mão armada, por vezes podem ser tão perigosos quanto um almoço de domingo em restaurantes à beira mar! Não podem existir desacordos, a sua vida pode valer alguns reais, ou apenas a má orientação de pessoas despreparadas podem lhe custar à própria existência.

Tolerância, creio que é a palavra que melhor cabe à tantos momentos de turbulência, diante de uma sociedade em frequente transição, que mais se assemelha a animais dominados esporadicamente por seus instintos selvagens, estes capazes de destruir e corromper qualquer convívio social.

Famílias são diariamente destruídas e entregues a uma violência gratuita, apenas alvos de um momento de descontrole, a racionalidade está na raça humana e apenas não é utilizada. No entanto creio que a pior violência é do ser humano contra ele mesmo, na capacidade que possui de se mal tratar, se jugar e condenar, não se enxergar como parte do outro na sociedade, não valorizar a própria vida e do próximo, é simplesmente lamentável a capacidade de autodestruição por curtos momentos de insanidade, descontrole ou até mesmo irracionalidade.

Todos somos membros de uma família, um grupo social, algo que completa ou que une as variações de existência, a morte encarada como parte da vida facilita o processo de aprendizagem e aceitação da nossa temporada existencial, mas o respeito ao seu tempo natural é essencial e merecido a todos. É preciso amar a vida como ela merece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário