terça-feira, 3 de setembro de 2013

Guerra Anunciada!

Ainda lembro-me de quando criança, durante as aulas de historias e seus estudos relacionados às guerras, como eram identificado os motivos, combates e resultados a partir deste tipo de confronto civil ou de âmbito mundial. Também é muito claro em minha mente as especulações diante da possibilidade da 3ª guerra mundial.

Analisando friamente a questão, é correto dizer que já tivemos algumas prévias deste confronto, claro que nada tão grandioso como os confrontos anteriores, mas também nada tão inofensivo que não seja preocupante para os países vizinhos, ou aliados, o fato é que ficamos alerta.

 A guerra civil da Síria, esta que já acontece há cerca de dois anos, já preocupava muitas nações, e é claro que já estava na mira da ONU, mas na ultima semana a preocupação atingiu o mundo. O massacre proporcionado pelos opositores ao movimento “Rebelde” que ocupa a capital Damasco é o fator responsável pela apreensão geral. O uso de armas químicas contra os opositores do ditador do país teve um efeito grandioso, e atingiu a própria população, formando uma contagem absurda de vitimas em que se enfileiram corpos e enterros coletivos, é a lastima visão do desrespeito a vida.

 Claro que guerras fazem parte da historia da humanidade e que grandes transformações sociais são contabilizadas após o término de um confronto de frentes armadas e grandes sacrifícios existenciais dos filhos da pátria. No entanto, mesmo admitindo tais transformações em setores econômicos, geográficos, políticos entre outros, é no mínimo contraditório acompanhar trabalhos e conquistas relacionadas à situações ligadas ao direito de ir e vir, quando quem deveria cuidar, mata sem dó os seus próprios civis.

Não precisa ser um grande historiador para dimensionar os estragos ocasionados por uma guerra mundial, não apenas economicamente ou socialmente, algo desta dimensão estremece as bases de qualquer nação, e não somente os países envolvidos diretamente, em uma guerra desta natureza, um posicionamento de confronto é obrigatório, e as consequências deste “acordo” também.

Ao perceber o interesse dos EUA, o grande distribuidor de armas de guerra, em levantar a questão de um ataque contra a Síria, torna-se obrigatório recordar também das aulas de geografia, e avaliar a localização geográfica do país em questão, assim relacionar outro grande interesse dos EUA em relação a ocupação do país. Será que os vizinhos da Síria interessam a grande nação americana? Ou será que os EUA é mesmo um defensor dos fracos e oprimidos? Inicialmente as perguntas podem parecer difíceis de responder, mas não é preciso se aprofundar muito no assunto para ter boas respostas.

É claro que a ONU não deve fechar os olhos, o crime contra a humanidade e o uso de armas químicas em seu próprio solo, não pode ficar impune, este é o papel das Nações Unidas, porem o trabalho de interferência deve ser bem estudado e esquematizado para que não aconteça  tragédia pior, ou o tiro pode ser no próprio pé.

É neste contexto que a população assiste o anuncio de uma possível guerra e espera pela lama sangrenta que sacrifica a humanidade, em nome do poder, da economia, e da politica. A interferência que promete a paz, pode na verdade ser o inicio do inferno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário